Principal opositor do Prefeito de LÁBREA critica gestão cobra compromisso com os professores

Principal opositor do Prefeito de LÁBREA critica gestão  cobra compromisso com os professores

Em entrevista ao Portal Manchete na manhã desse domingo, João Roberto cobrou que a prefeitura de lábrea, trate com transparência a distribuição das sobras do FUNDEB, aos professores do município.

segundo João muitas situações estranhas referente ao FUNDEB acontecem em labrea desde o primeiro mandato de BARROS, veja o que diz;

Veja bem as sobra do FUNDEB, que é a diferença entre o valor arrecadado e o valor gasto com professores ativo em sala de aula, devem ser distribuída entre os mesmo; acontece que em Lábrea não existe transparência, nem o professor nem sua própria classe representativa consegue ter acesso via lei de acesso a informação, as prestações de contas dos recursos que diz respeito aí FUNDEB, não sabem nem quanto custa a folha de pagamento.

De igual modo é fundo de previdência do servidor público do município, eles agem como ditador, fora da lei. nos últimos anos Lábrea já possuiu dois gestores do LABREAPREV, com contas reprovadas e condenados a devolver valores ao fundo.

No ano de 2020, mesmo com toda a economia gerada por conta da PANDEMIA, os professores acabaram recebendo R$ 600,00 Reais de abono salarial no fim do ano, enquanto municípios vizinhos como Humaitá e outros, Deram abono de 3 ou 5 mil reais a seus professores, lábrea pagou R$ 600,00.

Hoje mesmo tomei conhecimento através das redes sociais que o prefeito de Anamã anunciou abono de 15 mil aos professores.

E Labrea nem pagou nada ainda nada, e continuam ludibriando os profeseors a fim de evitar manifestações e greve por parte dos profissionais da educação.

E a quem o senhor atribuiu esse tipo de situação ?

Olha no meu ponto de vista o atual prefeito é o principal responsável, porque veja bem; a câmara de vereador não tem caneta na mão, embora possa fazer suas cobranças ao executivo e fiscalizar, o secretário de educação também não tem caneta da mão.

O fato é que a gestão é ruim mesmo, e sempre tratou os professores dessa forma.

Estar faltando uma auditoria abrangente do TCU, em Lábrea, com atuação do MPF do ministério público federal, e celeridade no julgamento dos processos abertos, pois existem processo do ano de 2008 aberto contra esse cidadão que continua sem conclusão até os dias atuais o que acaba gerando imputabilidade por decadência temporal.

redacao_maloca maloca

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *